Vita Hábil - Soluções em Reabilitação

Depoimentos

Saiba mais sobre a Terapia Ocupacional sob a ótica de quem já precisou! Compartilhe sua história conosco.

"A felicidade não está em nosso corpo mas sim no que está em nossa volta..."

Meu nome é Elza, tenho 50 anos, e há dois sofri um sério acidente. Estava voltando da praia com minha família quando perdi o controle do carro. Sofri um traumatismo (o que chamam de TCE) e fiquei vários dias em coma... quando acordei estava completamente paralisada e não conseguia nem falar. Meus pensamentos eram completamente lentificados e qualquer estímulo, por menor que fosse, me deixava confusa e exausta... Desde a UTI recebi tratamento de toda a equipe da reabilitação: Fisio, Fono, Psico e T.O. Com o passar do tempo, fui adquirindo melhora e após alguns meses recebi alta usando cadeira de rodas e completamente dependente. Voltava para o hospital três vezes por semana para fazer tratamento e em casa as terapias eram diárias !!! Tive que reaprender a fazer tudo e a T.O. foi imprescindível neste processo... aquelas coisas simples das quais no dia a dia não damos a mínima importância agora eram desafiadoras !!! reaprendi a escovar os dentes, me maquiar, limpar o bumbum, colocar roupa... cada dia era uma conquista e aos poucos fui me tornando uma vitoriosa ! Ainda ando com bastante dificuldade e preciso de ajuda para muitas coisas, minha memória é bastante falha e muitas vezes me atrapalho durante uma conversa... mas mesmo assim sou feliz por estar viva e conseguir ser quem eu sou, fazer o que gosto e estar com quem amo... Sou grata aos profissionais da T.O. que participaram deste processo e acreditaram em mim quando nem eu mesmo acreditava... E se aqui, neste espaço, posso deixar algum recado que sirva de exemplo para outras pessoas que estão passando por dificuldades: NÃO DESISTA. A felicidade não está em nosso corpo mas sim no que está em nossa volta.

Nossa vitória !

Há 2 anos tive um AVC. Quando cheguei ao hospital falaram para meus filhos que provavelmente não iria sobreviver mas caso isso ocorresse as sequelas seriam inevitáveis. E de fato foi o que aconteceu. Neste duro período recebi atendimento de altíssima qualidade de toda uma equipe especializada mas o que marcou foi sem dúvidas a terapia ocupacional. Eu não conseguia falar porém entendia tudo. Logo no primeiro dia minha TO chegou com um notebook na mão e disse "vamos conversar?" Na hora pensei que ela era incoveniente pois eu não podia mexer minhas mãos para usar o teclado... e em algumas terapias estava lá eu, usando o computador para conversar com minha família usando apenas movimentos da cabeça ! Hoje sou eu quem escrevo este texto com minhas próprias mãos devagar e com um pouco de dificuldade mas e daí? pelo menos estou escrevendo sozinha! Agradeço à essa profissão iluminada que me trouxe de volta a vida, que me mostrou que mesmo eu não sabendo do que era capaz, ela acreditou em mim. Até hoje estou aprendendo coisas novas com a TO como fazer compra no mercado pela internet, jogar jogos com meu netinho... e assim vou melhorando a cada dia !

Com as sessões de terapia ocupacional, ela começou a acreditar mais em suas possibilidades...

Minha mãe, Maria Augusta, Guti para os muito queridos, foi um exemplo de força e persistência. Apesar de todas as dificuldades por que passou desde a infância, não perdeu a vontade de viver. Aos 90 anos, vítima de um AVC, ficou com o lado direito comprometido, e teve que contratar serviços de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, além de outros. Muito guerreira, tinha certeza de que ficaria curada. Com as sessões de terapia ocupacional, às quais se dedicava com afinco, ela começou a acreditar mais em suas possibilidades de voltar a ser a Guti de sempre. Se não voltou a ser (óbvio, dadas as circunstâncias clínicas), ao menos deixou boquiabertos amigos e parentes com tanta determinação. Guti fazia questão de receber os amigos na porta, de pé, dizendo: "Viu como estou melhorando¿" O fator mais relevante para que Guti acreditasse na recuperação, e lutasse, foi a dedicação da profissional contratada, a que cuidou de seus males do corpo e da alma. Paralelamente a uma atuação profissional irreparável , tenho absoluta certeza ( e Guti diria o mesmo, com certeza,) de que o carinho que Lorena Montessanti devotou a ela foi imprescindível para sua sensível melhora. Aproveito a ocasião para fazer um pedido a todos os profissionais da saúde, para que não se esqueçam de deitar seu primeiro olhar no coração de cada um que os procurar. Obrigada, querida Lorena. Com todo o carinho da família Marino. Ceci

A diferença que a Terapia Ocupacional fez na minha vida

Eu, Vera Lúcia Gama Silva, 58 anos, infelizmente sofri um AVC em 2004 e estive entre a vida e a morte. Fiquei com todo lado esquerdo comprometido e não conseguia fazer nada, me sentia uma inútil. Graças a Deus, em 2009 conheci uma profissional, Terapeuta Ocupacional, e foi a minha sorte. A terapeuta começou a me reabilitar e hoje consigo fazer todas as tarefas de casa: tomar banho, ir ao mercado e até vestir a minha roupa que eu não conseguia antes. Eu aconselho todos que tiverem um problema desse não deixar de ter uma Terapeuta Ocupacional, pois é maravilhoso. Vera Lúcia Gama Silva

A órtese confeccionada pela terapeuta ocupacional mudou minha qualidade de vida

Quando eu tinha uns 40 anos comecei com uma dor próxima ao polegar. Inicialmente só sentia a presença de cansaço maior que o costumeiro, durante o período de trabalho, seguidas de sensação de desconforto. De princípio essas sensações passavam após o decorrer do período de trabalho, e no dia seguinte me sentia restabelecida. Depois de algum tempo, comecei a perceber que já acordava cansada e com sensação de dor indefinida e peso nos membros superiores e pescoço. A dor começou se acentuar e passou a ser persistente mesmo em momentos de repouso e durante o sono. Depois começou a inchar a região próxima do polegar e houve uma dor enlouquecedora na região do polegar. Resolvi procurar um médico quando o quadro cronificou e passei a não conseguir mais realizar as atividades exigidas, nem manter a produção diária em casa. Após diversos exames foi diagnosticada a doença tenossinovite ou síndrome de De Quervain, que é uma doença que ocorre pelo acometimento dos tendões do polegar. Logo que foi diagnosticada a doença comecei com a fazer terapias com Tens, Ultra-Som, Compressa Quente, Infravermelho, contudo melhorava durante a terapia, mas como não parava de realizar minhas atividades a dor voltava ao longo do dia. Foi na busca de um alivio dos sintomas que encontrei uma terapeuta ocupacional que modificou/adaptou algumas das atividades que eu realizava, assim como o ambiente e posturas de trabalho e concomitante ao tratamento confeccionou uma órtese sob medida para minha mão objetivando o controle da dor, repouso das estruturas lesadas. A órtese me ajudou a impedir que eu realizasse as atividades que estavam causando dor e proporcionou alívio da dor e melhora da movimentação. Sou muito grata pela terapeuta ocupacional que me ajudou a manter minha vida com maior qualidade e autonomia.